O que aprendi após 6 anos do meu negócio

O que aprendi após 6 anos do meu negócio

Em janeiro, a ImpulsoBeta completou seis anos e por mais clichê que soe, passa um filme na minha cabeça. E pensando em tudo que fez parte desse caminho, senti o ímpeto de dividir as lembranças - e os aprendizados - desses anos por aqui.

No final de 2020, produzimos na ImpulsoBeta um novo vídeo institucional e nele eu contei todas as mudanças de rotas que fizemos enquanto negócio ao longo do tempo.

Porém, ao revê-lo para escrever esse texto, penso no tanto sobre a minha trajetória - e da ImpulsoBeta - que ficou de fora.

Por exemplo, eu não contei no vídeo que quando eu fundei a ImpulsoBeta, eu estava saindo de uma carreira bem sucedida em uma organização que eu adorava para um desafio e mercado totalmente novos para mim.

Não contei também que lá em 2016, no segundo ano de ImpulsoBeta, eu tive o prazer de contar com o apoio da minha então sócia Dani Botaro (foto ao lado) para cuidar do nosso negócio enquanto eu me dedicava ao nascimento do meu primeiro filho (embora eu tenha enviado um e-mail ou dois durante as primeiras contrações).

Outra coisa que ficou de fora foi a saída da minha querida amiga Dani para alcançar novos voos em 2017, a entrada da minha nova sócia Andrea Tenuta (foto ao lado) em 2018 e todos os obstáculos de negócio que a ImpulsoBeta enfrentou nesse hiato em que eu estive sozinha e o quanto isso foi assustador para mim.

E, é claro, ficou de fora o ano de 2020 e a pandemia do coronavírus que não impactou só a mim, a ImpulsoBeta ou o mercado de diversidade, mas que mudou os rumos das nossas vidas e que fez que a gente enfrentasse alguns dos maiores obstáculos da nossa geração.

A partir desse olhar para o que vivi nesses anos, acredito que essas são as três principais coisas que aprendi:

  • Entender que a gente precisa focar - e fazer o que faz de melhor

Parece tão simples, né? Mas acredite, para mim não foi e talvez tenha sido meu aprendizado que levou mais tempo: entender que não dá para fazer tudo. Por anos, nossos diferentes times idealizaram uma ImpulsoBeta que abraçasse muitas frentes diferentes de atuação, que apoiasse as empresas em todos a gestão de pessoas sob o prisma da equidade de gênero.

Mas não dá para ser assim. Lembro de um livro que li no início dessa jornada empreendedora, De Zero a Um, do Peter Thiel, o fundador do PayPal. Nele me marcou um trecho em que ele traz sua tese de que no início toda startup deveria se dedicar a ser um minúsculo monopólio. Ter uma proposta de valor extremamente única e relevante para uma determinada audiência e, apenas a partir disso, expandir. Esse é o oposto do modelo de negócio das consultorias tradicionais, que navegam numa flexibilidade que lhes traz a percepção de que dá pra fazer de tudo um pouco. Mas os recursos são escassos...principalmente no começo.

Entendemos que a expertise do nosso negócio está na capacidade de educar e que é nesse espaço que podemos verdadeiramente impactar a transformação nas empresas.

Depois de muito exercício e de muita conversa com nosso time, a ImpulsoBeta se posiciona como uma empresa que implementa soluções de aprendizagem em Diversidade, Equidade e Inclusão. Nosso trabalho se traduz principalmente por meio de educação corporativa, com ferramentas práticas para que nossos clientes sejam mais inclusivos.

  • Liderar exige segurança...que se constrói a cada dia

Falamos muito de liderança feminina nos primeiros anos da ImpulsoBeta e nossa atuação nas trilhas de liderança em empresas seguem muito relevantes. Nelas, em diferentes temáticas de capacitação, exploramos a síndrome da impostora, como criar uma marca pessoal e como negociar assertivamente. Casa de ferreira, espeto de pau.

Mesmo tendo fundado a empresa, estudado muito e trabalhado esses conceitos em sala para já milhares de mulheres, eu também enfrento o medo compartilhado por muitas de assumir o meu papel.

As vezes não é apenas dificuldade de delegar e se desprender de tarefas operacionais. É a falta de clareza dos próximos passos, a sensação de estar "se achando demais". Tive que fazer muitos exercícios de autoconhecimento e autocontrole para finalmente pensar "é, talvez eu não precise estar em todas as reuniões da ImpulsoBeta" rs.

Ser a mais alta liderança em uma empresa que ainda é pequena, mas cresce cada vez mais, me fez entender que minha checklist de tarefas tinha que ir ficando cada vez menor para que eu produzisse mais para a empresa. Isso me deixa desconfortável, conflita com meu ímpeto de ser uma pessoa modesta e acessível, mas faz parte do reconhecimento do próximo passo do "pipeline de liderança" que tanto abordamos com as participantes de nossos programas.

  • Estar entre pessoas que realmente querem construir com você faz a diferença

É uma jornada trabalhosa construir um negócio do zero, em um setor que não existe, em um mercado que não tem uma demanda estabelecida - como era trabalhar diversidade e inclusão em 2015. Mas conseguir encontrar ao longo do caminho pessoas com sonhos que se somam, talentos que se complementam, com o timing certo...é o sonho de qualquer pessoa empreendedora que sacou como é que se faz pontos nesse jogo.

E não digo só de talentos que estão na operação e no dia a dia dentro da ImpulsoBeta, mas os talentos que encontramos nos nossos clientes, que abraçaram nossas ideias e tomam decisões corajosas para realizar mudanças.

Após seis anos, mais de 600 projetos entregues, 80 parceiros atendidos e 21.000 pessoas impactadas diretamente em ações, posso dizer que a ImpulsoBeta tem se tornado o que é graças a essas pessoas que estiveram na ImpulsoBeta e a uma rede de parceiros incrível. Gente que nos abriu portas, nos desenvolveu, vem nos desafiando a seguir sempre para o próximo nível. Pessoas como Luis Gustavo Vitti, Mariane Siqueira, Jackeline Camilo, Fernanda Castanheira, Vera Rodrigues Ferreira, Lana Ramoa, Flavia Baffile, Camila Morales Zanchim, Maria Schneide, Caroline Francisco, Dayane Costa, Lucimara Ferreira, Ialis Iorio, Debora Colombara, Paola Jagher, Karen Wasman, Maria Cristina Sampaulo, Deborah Toledo, Renata Cho, Mirelle Philomeno, Izabela Franchescini, Luiza Maia, Monica Saggioro Leal, Bruno Bidoia, Aldo Fracchia, Erika Zoeller, Flavia Ribeiro, Pietro Alves, Vitor Benossi, Gabriela Tonon, Andre Alemann, Izabela Murici, Sarita Vollnhofer, dentre outras que posso estar fazendo a indelicadeza de esquecer de mencionar =)

Nosso aniversário passou, mas ao longo das próximas semanas vamos seguir comemorando. Por isso convidei a Ana Paula Pisaneschi, Luciana Carmo e Raquel Teixeira para conversar comigo sobre empreendedorismo por meio do aprendizado de suas próprias histórias. Esse encontro vai acontecer no dia 24 de fevereiro, às 18h30, no Instagram da ImpulsoBeta. Siga a gente lá para conferir todas as novidades, descobrir o que vamos fazer ao longo desse e dos próximos anos e acompanhar todos os novos aprendizados que eu e nosso time vamos compartilhar!

Artigo escrito por Renata Moraes, CEO e Fundadora da ImpulsoBeta


Siga a ImpulsoBeta nas redes sociais:



Quer receber as novidades e conteúdos da ImpulsoBeta? Inscreva-se em nossa newsletter!