Todas as mães - Claudia Quintas

09/05/2019

Todas as mães - Claudia Quintas

Mãe que trabalha, mãe que estuda, mãe que pesquisa. Com um filho, dois, três, até quatro. Mãe que tem horário flexível, mãe que viaja muito, mãe que tem a própria empresa. Não existe uma regra nem um jeito único de ser mãe.

Para valorizar os mais diferentes tipos de maternidade, durante o mês de maio, a ImpulsoBeta vai entrevistar diversas mulheres com as mais diferentes histórias sobre maternidade. Conheça a história da Claudia, Diretora Digital da Turner e mãe solo de gêmeos.

Quer receber as novidades e conteúdos da ImpulsoBeta? Se inscreva em nossa newsletter!

Desde os 15 anos, a Claudia já estava no mercado de trabalho. Acostumada a ver o irmão mais velho sempre estudando, ela decidiu que não era isso que queria para sua vida - queria trabalhar. Graças a um curso técnico trilíngue, sua primeira experiência foi em uma multinacional alemã, que a faz mudar de ideia sobre a graduação.

Formada em Comunicação Social, Claudia passou por institutos de pesquisa e empresas como Avon, até trilhar uma trajetória de 18 anos em agências de propaganda, de 2000 a 2018. Com o nascimento dos seus filhos, ela decidiu tirar um período sabático, voltando ao mercado como Diretora Digital AdSales da Turner após oito meses do nascimento dos gêmeos.

Quando fala sobre maternidade, Claudia diz que esse lado sempre esteve presente em sua vida: "A minha paixão por crianças me rendeu - mesmo antes de ser mãe - 4 afilhados oficiais, fora os agregados, e sempre estava presente em meus pensamentos e até nas escolhas amorosas que fiz ao longo desses anos. Pode parecer piada mas eu era capaz de perguntar em um primeiro encontro coisas como nome, idade, profissão, hobbies e "você quer ter filhos?" [...] Com 38 anos completos, afirmei: dos 40 não passará. E de fato não passou. Com a decisão feita sobre a maternidade, me submeti aos 39 a um procedimento de FIV com compra de sêmen do banco nacional para a realização do meu sonho."

Agora, com os gêmeos Davi e Clara já com dois anos e meio, Claudia reforça que é impossível agradar a todos e sugere: "Faça o que você acredita, da forma que acredita. Hoje, na minha profissão, não vejo os meus filhos antes de dormirem de 2ª a 6ª feira. Acordo cedo, os levo na escola depois do café da manhã e às 9hs estou no escritório. Entre 18:30hs e 19hs é a hora do Facetime. Paro o que estou fazendo para ligar para eles e perguntar como foi o dia. Chego em casa e eles já estão dormindo, mas é como eu consigo fazer nesse momento. Penso que os finais de semana serão nossos e que iremos aproveitá-los ao máximo. E assim fazemos, mas esse é o meu jeito. Cada um tem que buscar a maneira que for melhor para si e não se culpar se ainda assim não for 'o ideal'."

Com um compilado de fotos, Claudia completa: "Maternidade é isso: um dia diferente do outro. Um dia eles se divertem e outros a gente se diverte mais que eles. Um dia eles são riso fácil e no outro são birras extremas. No fundo, mesmo que a gente perca a paciência muitas vezes, em um dia a gente é amor e no outro também!"